Um guia sobre psicose — quais os principais sintomas e como a Cannabis pode ajudar no tratamento

psicose e cannabis

Você sabe quais são os principais sintomas e formas de tratamento da psicose? Vem descobrir como a Cannabis pode ser uma aliada importante nesse processo.


Sumário

  1. O que é psicose?
  2. Quais são as principais causas da psicose?
  3. Sintomas da Psicose
  4. Como é feito o diagnóstico de psicose?
  5. Tratamento da Psicose
  6. Evidências científicas sobre a psicose e a cannabis medicinal
  7. Perspectivas futuras para a psicose

Afetando cerca de 1% da população global a psicose é uma condição mental grave caracterizada pela perda de contato com a realidade.

Neste artigo vamos abordar as causas, sintomas, diagnóstico, e também como a cannabis medicinal pode auxiliar no tratamento da psicose.

O que é psicose?

Psicose é um estado mental caracterizado pela perda de contato com a realidade. Durante um episódio psicótico, a pessoa pode ter alucinações (percepções de coisas que não estão presentes) e/ou delírios (crenças falsas e inabaláveis).

Esses sintomas podem ser muito perturbadores e interferir significativamente na vida diária do indivíduo.

Embora os comportamentos psicóticos sejam reconhecidos desde a antiguidade, o diagnóstico formal e a compreensão moderna, evoluíram principalmente ao longo dos últimos dois séculos.

Avanços na psiquiatria e na psicologia têm melhorado significativamente a capacidade de diagnosticar e tratar pessoas com psicose, resultando em abordagens mais eficazes e humanitárias.

Quais são as principais causas da psicose?

A psicose pode ser causada por uma combinação de fatores genéticos, biológicos, ambientais e psicológicos. 

Entre as principais causas estão:

Genética

A predisposição genética desempenha um papel crucial no desenvolvimento de transtornos psicóticos. 

Pessoas que têm histórico familiar de esquizofrenia ou outras psicoses têm um risco maior de ter psicose..

Biologia

Desequilíbrios químicos no cérebro, particularmente envolvendo neurotransmissores como a dopamina e a serotonina se relacionam à causa da psicose.

Fatores ambientais

Traumas, abuso de substâncias (como álcool e drogas), infecções, e estressores significativos durante o desenvolvimento podem desencadear episódios psicóticos.

Condições médicas

Algumas condições médicas, como lesões cerebrais, doenças neurológicas e doenças autoimunes, podem causar sintomas psicóticos.

Sintomas da Psicose

Os sintomas da psicose são tipicamente divididos em três categorias principais:

  • Sintomas Positivos: Incluem alucinações (percepções sensoriais sem estímulo externo) e delírios (crenças falsas e fixas, não corrigíveis pela lógica).
  • Sintomas Negativos: Envolvem a diminuição ou ausência de certas capacidades, como o aprazimento, a motivação, a expressão emocional e a fala.
  • Sintomas Cognitivos: Afetam a memória, a atenção, a função executiva e a capacidade de processar informações.

Como é feito o diagnóstico de psicose?

O diagnóstico da psicose é clínico e baseado em uma avaliação psiquiátrica abrangente, que inclui a revisão detalhada do histórico médico, familiar e psiquiátrico do paciente. 

A avaliação do estado mental inclui observação dos sintomas característicos desta condição mental. 

Além disso, também existem alguns testes complementares, como, por exemplo, exames laboratoriais e de imagem.

Tratamento da Psicose

O tratamento da psicose envolve uma abordagem multidisciplinar e pode incluir:

  • Medicação: Antipsicóticos são a base do tratamento medicamentoso. Existem dois tipos principais: antipsicóticos típicos e atípicos. Estes medicamentos ajudam a reduzir os sintomas.
  • Psicoterapia: Terapias como a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) são eficazes no manejo de sintomas psicóticos e na promoção de habilidades de enfrentamento.
  • Intervenções Psicossociais: Envolvem suporte para habilidades de vida diária, treinamento vocacional e apoio familiar.
  • Hospitalização: Pode ser necessária em casos de crise aguda para garantir a segurança do paciente e dos outros.

Evidências científicas sobre a psicose e a cannabis medicinal

Além dos tratamentos convencionais, a relação entre o uso de cannabis e a psicose é um tema amplamente estudado e debatido na comunidade científica. 

A cannabis medicinale o CBD (canabidiol) tem sido muito investigados pelos potenciais benefícios terapêuticos associados ao seu uso.

THC e psicose

O THC é o principal composto psicoativo da cannabis, responsável pelos efeitos eufóricos e alucinógenos. 

Estudos indicam que o uso de cannabis com altos níveis de THC pode não ser indicado para o tratamento da psicose, especialmente em indivíduos predispostos ou com histórico familiar de transtornos psicóticos. 

Já em doses corretas aliados a concentração maior do composto CBD, pode ser benéfico. 

CBD e Psicose

Por outro lado, o CBD, outro composto encontrado na cannabis, tem mostrado propriedades antipsicóticas. 

Ensaios clínicos sobre o uso de CBD como tratamento para a psicose são promissores. 

Um desses estudos considerou quantidades e prescrições diferentes para o tratamento a curto prazo, e segundo os autores, o CBD produziu efeito antipsicótico em estudos pré-clínicos e em modelos de psicose em indivíduos saudáveis. 

Foi identificado ainda que o CBD evitava sintomas psicóticos induzidos por 10 mg de THC. 

No pré-tratamento o CBD inibiu a psicose e o comprometimento cognitivo induzido pelo THC. 

As diretrizes clínicas sugerem que pacientes com histórico de psicose ou predisposição genética para transtornos psicóticos devem evitar o uso de cannabis com altos níveis de THC. 

Já o CBD pode ser uma opção viável, com altos potenciais benefícios terapêuticos. 

A dose, a composição da cannabis medicinal e o perfil do paciente são fatores que precisam ser avaliados, para a prescrição do tratamento de psicose.

Perspectivas futuras para a psicose

A pesquisa em psicose está evoluindo rapidamente, com foco em:

  • Biomarcadores: Identificação de biomarcadores que possam prever a suscetibilidade à psicose e monitorar a resposta ao tratamento.
  • Novos Medicamentos: Estudos para a eficácia de novos medicamentos com menos efeitos colaterais e maior eficácia, especialmente para sintomas negativos e cognitivos, como a cannabis medicinal. 
  • Intervenções Precoces: Estratégias de intervenção precoce que visam identificar e tratar a psicose nos estágios iniciais para melhorar os resultados a longo prazo.

Conclusão

A relação entre a cannabis medicinal e a psicose vem sendo amplamente estudada, principalmente devido seus benefícios e terapêuticos, reduzindo os efeitos colaterais dos outros tipos de medicamentos. 

Pesquisas já sugerem que o canabidiol (CBD) surge como um potencial tratamento, devido à sua ampla interação molecular e propriedades ansiolíticas, além de seu papel na modulação da atividade cerebral nas áreas relacionadas à ansiedade e à psicose. 

Seu uso depende é claro de alguns fatores, incluindo a composição dos canabinóides, a frequência de uso e a individualidade de cada paciente.