Cannabis e Clonazepam? Pesquisas apontam uma possível dupla benéfica

clonazepam

Com acompanhamento médico, Cannabis medicinal é considerada potencial agente de substituição ou aliado do Clonazepam ou Rivotril, por diminuir efeitos colaterais.


Sumário

  1. Famoso Clonazepam
  2. Combinações perigosas com Clonazepam
  3. Interação que exige atenção
  4. Trocar Rivotril por Cannabis?
  5. Possíveis benefícios do CBD na superação da dependência de Clonazepam
  6. Cannabis como aliada na redução do uso de Clonazepam
  7. Resultados e conclusões

Quem nunca conheceu alguém (ou passou) por uma experiência no mínimo desagradável ao combinar remédios com outras substâncias que afetam nosso corpo? 

Quando se trata de misturas, a atenção aos detalhes é essencial para não passar por experiências perigosas e traumáticas. 

Isso é especialmente verdadeiro quando falamos sobre medicamentos prescritos e o uso de Cannabis.

O Clonazepam ou Rivotril, um benzodiazepínico (medicamento sedativo que ajuda a reduzir a ansiedade e promover o sono) é comum para tratar convulsões e transtornos de pânico, mas requer um cuidado especial em combinação com outras substâncias. 

Benzodiazepinas são remédios eficazes na luta contra a ansiedade. Elas ajudam a colocar o sistema nervoso em um estado relaxado, interrompendo efetivamente a ansiedade em seus estágios iniciais.

Famoso Clonazepam

Popularmente conhecido como Rivotril, o Clonazepam é uma medicação que atua no sistema nervoso central, sendo sedativa porque aumenta o efeito do neurotransmissor GABA, que inibe a atividade cerebral. 

Em alguns casos, trata também síndrome de abstinência alcoólica. Seu impacto profundo no sistema nervoso central significa que ele pode causar efeitos colaterais significativos, como sonolência e dificuldades respiratórias.

No entanto, o principal problema das benzodiazepinas é a alta tendência à dependência. Pacientes podem desenvolver vício após apenas algumas semanas de uso. 

Quando os efeitos das drogas desaparecem, o cérebro entra em um estado de hiperatividade, resultando em ataques de ansiedade severos. Isso pode levar a insônia exaustiva e instabilidade emocional.

Quando combinado com outras substâncias que também causam sonolência, como opióides e anti-histamínicos, o clonazepam pode aumentar significativamente os riscos de vida associados ao uso.

Combinações perigosas com Clonazepam

Aqui estão algumas combinações e interações perigosas com Clonazepam:

Opióides

Prescreve-se opióides para tratar dores moderadas a intensas. Exemplos comuns incluem tramadol, oxicodona e morfina. 

A combinação de clonazepam com opioides pode resultar em sonolência extrema e problemas respiratórios potencialmente fatais. 

Anti-histamínicos

São antialérgicos comuns para tratar alergias sazonais. No entanto, se combinados com clonazepam, pode aumentar o risco de sonolência excessiva.

Se o uso se fizer necessário, indica-se optar por antialérgicos mais novos no mercado e não sedativos, como fexofenadina (Allegra), para reduzir esse risco e discutir outras opções com sua médica (o) ou farmacêutica (o), como sprays nasais de corticosteróides, que não interagem com clonazepam.

Cannabis

A cannabis medicinal está ganhando cada vez mais popularidade por seus benefícios terapêuticos, mas sua combinação com clonazepam não é isenta de riscos. 

Interação que exige atenção

Tanto a Cannabis quanto o Clonazepam podem causar sonolência e prejudicar a coordenação motora, a depender da reação que causar no paciente. 

Quando usados juntos, esses efeitos podem ser amplificados, criando uma situação potencialmente alarmante.

Estudos têm desmistificando esse risco em potencial, mas a necessidade de mais pesquisas ainda nos deixa sem grandes conclusões sobre os perigos reais da combinação, além da redução do estado de alerta. 

Trocar Clonazepam por Cannabis?

Segundo artigo da ScienceDirect, os benzodiazepínicos são associados à dependência e abuso, apesar dessa problemática já ter sido identificada há décadas. 

Considera-se múltiplas opções de tratamento para o manejo da dependência. Estudos têm relatado substituições de medicamentos entre usuários de cannabis. 

Embora haja evidências insuficientes para recomendar a substituição da cannabis por benzodiazepínicos prescritos, pacientes relatam melhora na eficácia e diminuição dos efeitos colaterais como justificativa para a substituição. 

Desafios da redução do uso 

O processo de desmame das benzodiazepinas é altamente desagradável e pode incluir sintomas como:

  • ansiedade severa;
  • ataques de pânico;
  • insônia;
  • oscilações de humor;
  • tremores musculares;
  • dores musculares;
  • pensamentos suicidas;
  • náuseas;
  • vômitos;
  • sudorese;
  • perda de peso;
  • convulsões.

Riscos de sobredosagem

Embora as benzodiazepinas por si só geralmente não causem uma overdose, sua combinação com outros medicamentos, como analgésicos ou álcool, pode resultar em uma mistura perigosa, como já citado neste artigo. 

Celebridades como Michael Jackson e o rapper Lil Peep, nos EUA, tinham Xanax em seus sistemas no momento da morte. 

Muitos usuários acreditam que podem evitar essas ameaças tomando benzodiazepinas e evitando analgésicos ou álcool, mas a realidade é mais complexa.

Algumas pessoas têm explorado o uso de canabidiol (CBD) para aliviar os sintomas de abstinência ao reduzir a dosagem de benzodiazepínicos. O objetivo é eventualmente parar de tomá-las por completo.

Redução gradual com CBD

A ideia básica é que o CBD serve para excluir gradualmente as benzodiazepinas. À medida que a dose de benzodiazepinas diminui, é possível aumentar a quantidade de CBD para compensar alguns sintomas de descontinuação.

Uma vez que o sistema elimina completamente as benzodiazepinas, o foco passa para a interrupção do CBD, o que é consideravelmente mais gerenciável. 

Isso funciona porque o CBD tem efeitos semelhantes nos receptores GABA às benzodiazepinas, porém com eficácia significativamente menor, mostrando um potencial muito menor para dependência.

Possíveis benefícios do CBD na superação da dependência de Clonazepam

  • Anticonvulsivante: o CBD reduz tremores e tensão muscular, ajudando a amenizar esse efeito colateral desagradável durante a superação da dependência de benzodiazepinas.
  • Anti-ansiedade: um dos benefícios mais importantes do CBD é sua capacidade de reduzir os sintomas de ansiedade, que são os principais efeitos colaterais da retirada de benzodiazepinas.
  • Sedativo: O CBD atua como um sedativo leve que ajuda a aliviar os sintomas de insônia resultantes da retirada das benzodiazepinas.

Esses benefícios adicionais do CBD não apenas ajudam a mitigar os sintomas de abstinência das benzodiazepinas, mas também oferecem uma abordagem mais suave e menos viciante para apoiar a recuperação dos pacientes.

rivotril e cannabis

Foto: Divulgação

Cannabis como aliada na redução do uso de Clonazepam

Um estudo observacional investiga a redução do uso de benzodiazepínicos em pacientes que utilizam cannabis medicinal prescrita

Para isso, realizou-se uma análise retrospectiva com 146 pacientes que usam cannabis medicinal, com idade média de 47 anos, sendo 61%, mulheres, e 54% relatando uso prévio de cannabis. 

Todos eles usavam benzodiazepinas quando começaram a terapia com cannabis. Os dados foram coletados de um banco de dados da clínica de cannabis medicinal Canabo Medical. 

  • Após dois meses de tratamento com cannabis medicinal, 30,1% dos pacientes pararam de usar benzodiazepinas. 
  • Em um segundo acompanhamento, após duas prescrições, esse número subiu para 44,5%. 
  • No final do estudo, após três prescrições, 45,2% dos pacientes haviam interrompido o uso de benzodiazepinas, mostrando que a taxa de cessação se manteve estável ao longo de seis meses.

Esses resultados sugerem que a Cannabis pode ajudar muitos pacientes a reduzir ou até parar de usar benzodiazepinas. 

Em contrapartida, parece que só ter autorização para utilizar cannabis, sem significativo acompanhamento médico, pode não ser o suficiente para a redução. 

Pesquisadores canadenses realizaram durante 9 anos análises sobre alternativas mais seguras para o uso de medicamentos similares ao Clonazepam. 

Pesquisas analisaram a associação entre o uso da Cannabis e Clonazepam

Pesquisas realizadas em Alberta, Canadá, analisaram a associação entre a autorização para o uso de cannabis medicinal e o consumo de benzodiazepínicos entre 2013 e 2021.

O estudo envolveu pacientes que estavam em tratamento regular com benzodiazepínicos e que receberam autorização para o uso de cannabis medicinal. Comparou-se esses pacientes a um grupo de controle que não tinha essa autorização. 

Os pesquisadores compararam dois grupos de pacientes: 

  • Aqueles que tinham autorização para usar cannabis medicinal e aqueles que não tinham. No total, a análise compreendeu 9.690 pacientes que usam cannabis. Para garantir que a comparação fosse justa, cada paciente do grupo que usava cannabis foi comparado com um paciente similar do grupo que não usava cannabis.
  • Para avaliar o impacto da cannabis medicinal, os pesquisadores observaram como mudou o uso de benzodiazepínicos ao longo do tempo. 
  • Eles analisaram a quantidade média diária de diazepam (um tipo de benzodiazepínico) consumida pelos pacientes, comparando os 12 meses antes e os 12 meses após a autorização para uso de cannabis.

Resultados e conclusões

Os resultados mostraram que a autorização para uso de cannabis medicinal teve pouco impacto no consumo de benzodiazepínicos. 

A quantidade média diária de diazepam consumida pelos pacientes praticamente não mudou após eles começarem a usar cannabis medicinal.

Embora a expectativa fosse de que a cannabis medicinal pudesse reduzir o uso de benzodiazepínicos, este estudo específico não encontrou evidências fortes desse efeito. 

Como exige uma mudança de hábito e muita das vezes cultural, como começar a consumir e comprar cannabis, pesquisadores ressaltam que mais estudos são necessários para explorar essa relação com mais profundidade e por um período mais longo.

Este tipo de pesquisa é importante porque ajuda a entender melhor as possíveis interações entre a cannabis medicinal e os medicamentos tradicionais. 

A importância da consulta médica

Se você usa clonazepam e está considerando o uso de cannabis medicinal, é essencial conversar com seu médico. Somente um profissional de saúde pode avaliar adequadamente os riscos e benefícios, ajustando as doses conforme necessário para minimizar os efeitos adversos. 

A consulta médica garante que você possa aproveitar os benefícios da cannabis medicinal de forma segura e eficaz.

Fontes